domingo, 5 de março de 2017

Livros para Março

1. Aos meus amigos (Maria Adelaide Amaral, 2002)
Livro que inspirou uma das minisséries da Globo que mais gostei, Aos meus amigos acompanha um grupo de amigos que foram afastados pelo tempo e pelos acontecimentos políticos dos anos 80 e acabam se reencontrando após a morte de um deles, que cometera suicídio e planejara usar a própria morte para reaproximar aqueles que outrora eram uma verdadeira família. Acontece que depois de quase uma década de distância muita coisa havia mudado: grandes amigos se tornaram inimigos, casais se separaram ou estavam em crise, artistas em potencial abandonaram seus sonhos. As transformações sofridas pelo grupo de amigos é reflexo das grandes mudanças que estavam acontecendo no mundo com o fim da Guerra Fria e no Brasil da redemocratização. Em meio a tantas mágoas e lavagem de roupa suja, uma história cuja beleza não é nem um pouco diminuída pela tristeza.
Nota: 9,5/ 10
2. Incidente em Antares (Erico Verissimo, 1971)
Vou me segurar pra não falar demais, afinal este é um dos meus livros preferidos. O genial Erico Verissimo narra o surgimento de uma pequena cidade do interior gaúcho que recebe o nome de estrela, cresce sob a rivalidade de duas poderosas famílias e é palco de uma história que mistura o absurdo, política e o sobrenatural. Em meio a uma greve geral na cidade, os coveiros cruzam os braços e os trabalhadores impedem os enterros de serem realizados em Antares. Devido a isso, sete caixões são deixados às portas do cemitério, esperando o momento de irem para a cova. Os sete defuntos são figuras conhecidas da cidade, das mais variadas classes sociais: desde a rica matriarca de uma das duas famílias fundadoras até um bêbado e uma prostituta. O que ninguém esperava era que seus ocupantes se levantassem e ocupassem a praça principal para exigir um enterro digno, e pra isso eles ameaçam contar os segredos mais podres de seus conterrâneos.
Nota: 10
3. O Espelho dos Nomes (Marcos Bagno, 2002)
Das várias boas lembranças que carrego da escola, uma é este livro genial que utiliza da fantasia para conduzir o leitor por um mundo de desafios e encantos que representam as disciplinas escolares mais básicas, acompanhando Abel (ou Gabriel, Isabel, Miguel... que não gosta de seu nome - e por isso o nome muda a cada capítulo) e seu companheiro Tomenota, que passam por diferentes níveis de desafios atravessando espelhos. São muitas as semelhanças com Alice no País das Maravilhas, com a clara vantagem de ser escrito em nossa língua (as rimas são rimas e os trocadilhos fazem sentido!) e tendo a diferença de se aproximar mais do universo escolar. Em resumo (e cheio de nostalgia): o livro é uma graça, é envolvente, divertido, e é o tipo de leitura que toda criança (mas não só criança!) deveria fazer.
Nota: 10

Luís F. Passos

Leia também:
Aos meus amigos
Incidente em Antares
O Espelho dos nomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário